Perceptions of Porto Nacional/Tocantins Family Agricultural School Educators Regarding Didactic-Pedagogical Mediation:

towards a proposal to implement an interdisciplinary school newspaper

Authors

  • Hugo Rivas de Oliveira Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins
  • Rivadávia Porto Cavalcante Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins
  • Mary Lúcia Gomes Silveira de Senna Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins
  • Weimar Silva Castilho Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins

DOI:

https://doi.org/10.14571/brajets.v16.n3.490-506

Keywords:

Rural Education, Integral Education, Teaching. Learning

Abstract

This article discusses the results of a study carried out with educators from an agricultural school, which works with Field Education, located in the central region of the state of Tocantins, Brazil. Its objectives are focused on understanding the educational/training practices and perceptions of these professionals about a media proposal for sharing knowledge produced locally through a school newspaper as a didactic-pedagogical and methodological update. To this end, the theoretical basis was sought in Freinet's pedagogy of free expression, in Vygotsky's pedagogical mediation, in Ausebel meaningful learning, research in education and related areas. This is a quantitative approach research with exploratory objectives, survey of theoretical sources on the subject and field research, data was generated through a semi-open questionnaire. The results point to the need for teachers and students to have a critical-reflexive conscience of the situation in which they are inserted, thus contributing to a population formed in the emancipating, liberating and democratic perspective.

Author Biographies

Rivadávia Porto Cavalcante, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins

Doutor em Linguística e Práticas Sociais pela Universidade Federal da Paraíba ?(PROLING/UFPB). Estágio de Doutorado Sanduiche (PDSE/CAPES) - Boursier d?excelence - pelaUniversidade de Genebra (UNIGE), Suíça. Mestre em Linguística e Práticas Sociais(PROLING/UFPB), Especialista em métodos para o Ensino/Aprendizagem da língua inglesa pelaFaculdade de Educação São Luiz, Jabotical/SP e em Docência Universitária pela UniversidadeEstadual de Goiás (UEG). Licenciado e Bacharelado em Letras pela Universidade Federal deGoiás (UFG). Atua como Pesquisador de práticas sociais da lingua(gem) e dos gênerosdiscursivos que as representam, com ênfase em Linguística Aplicada e Políticas Linguísticas noPrograma de Pós-graduação em Educação Profissional e Tecnológica. Docente e Tradutor(Inglês/Francês) com experiência em gestão de projetos para cooperação e parceriasinternacionais. Lider do Grupo de Estudos em Lingua(gem), Interação e Representações nasPráticas Formativas (GELPRAC/IFTO), Membro do Grupo de Estudos em Letramentos,Interação e Trabalho (GELIT/UFPB) e do Núcleo de Estudos de Políticas e Educação Linguística(NEPEL/UFPB) cadastrados no CNPq.

Mary Lúcia Gomes Silveira de Senna, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins

Graduada em PEDAGOGIA pela Universidade Federal de Juiz de Fora (1997), Especialista emTurismo pela Universidade Católica de Brasília (2005), Mestre em Ciências do Ambiente pelaUniversidade Federal do Tocantins (2008), Doutora em Ciências pela Universidade de SãoPaulo (USP/IPEN). Atua como Professora Efetiva do Instituto Federal de Educação, Ciência eTecnologia do Tocantins (IFTO). Atuou nas disciplinas pedagógicas dos cursos de Licenciaturanos campi de Araguatins e Porto Nacional do IFTO. Atualmente, ministra disciplinas da área deTurismo, Hospitalidade e Lazer. É professora do Mestrado em Educação ProfEPT. Já ministroumódulos na Pós-graduação em Proeja do IFTO, bem como, em curso de Pós-graduação adistância em Docência na Educação Profissional e Tecnológica. Atualmente é líder do grupo depesquisa NETUH, foi coordenadora do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Turismo doIFTO e é revisora da Revista Acadêmica Observatório de Inovação do Turismo, Revista deEcoturismo e Revista Sítio Novo.

Weimar Silva Castilho, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins

Possui Licenciatura em Física pela Universidade Federal de Goiás - (2003), pós-graduação LatoSensu em Métodos e Técnicas de Ensino pela Universidade Salgado de Oliveira (2005), Mestreem Sistemas Mecatrônicos pela Universidade de Brasília (2008) e Doutor em SistemasMecatrônicos pela Universidade de Brasília (2016), na área de concentração de materiaisfuncionais e estruturas adaptativas, com o foco da pesquisa em ligas com memória de forma.Tem experiência na área de Ensino de Ciências e Matemática, com ênfase no Ensino de Física.Professor efetivo do Instituto Federal do Tocantins IFTO, Campus Palmas, onde atua noMestrado Profissional em Educação Profissional e Tecnológica (ProfEPT) e no curso deLicenciatura em Física. Atualmente faz o estágio Pós-Doutoral no Programa de Pós-GraduaçãoEnsino de Ciências do Instituto de Física da UFMS.

References

Anastasiou, L. G. C., & ALVES, L. P. (Org.) (2003). Processos de ensinagem na universidade: pressupostos para as estratégias de trabalho em aula. Joinville, SC: Univille. Recuperado de: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/177359/mod_resource/content/1/Cap%C3%ADtulo%203%20-%20Estrat%C3%A9gias%20de%20ensinagem.pdf

Arroyo, M. G. (2013). Currículo, território em disputa. 5 ed. Petrópolis-RJ: Vozes.

Assumpção, Z. A. (2005). Jornal escolar online como instrumento de educação e cultura. Colóquio Internacional de comunicação para o desenvolvimento regional: Mídia, Região, Educação e Cultura, 10. In Anais do 10º Colóquio Internacional de comunicação para o desenvolvimento regional, Chapecó, SC, Brasil. Recuperado de: http://www.jornalescolar.org.br/securefiles/arq-ASSUMPCAO-Z-jornal-escolar-on-line-como-instrumento-de-educacao-e-cultura.pdf

Ausubel, D. P. (1968). Educational psychology a cognitive view. Nova York: Holt, Rinehart and Winston. Recuperado de: https://archive.org/details/in.ernet.dli.2015.112045/page/n29/mode/2up

Ball, S. J. (1994). Education reform: a critical and post structural approach. Buckinghan: Open University Press.

Barúa, G. H., & Giovani, F. (2015). Jornal escolar: protagonismo e integração (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Pampa. Bajé, RS. Recuperado de: https://cursos.unipampa.edu.br/cursos/ppgel/files/2017/05/guia-jornal-escolar.pdf

Bicalho, R., & Macedo, P. C. S., & Rodrigues, G. G. (2021). Em defesa da Educação do Campo: enfrentando o desmonte das políticas públicas. Periferia, 13(1), p. 39-59, jan./abr. Recuperado de: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/periferia/article/view/55211

Bonini, A. (2011). Jornal escolar: gêneros e letramento midiático no ensino-aprendizagem de linguagem. RBLA, 11(1), p. 149-175, Belo Horizonte, MG. Recuperado de: https://www.scielo.br/j/rbla/a/MRrTPxZBghpGv6v3f33cwtm/?format=pdf&lang=pt

Brasil. Ministério da Educação. (2018). Base Nacional Comum Curricular. Brasília, DF. Recuperado de: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/

Cordeiro, Y. E. M.; Quaresma, R. J. C., & Pantoja, G. F. (2018). Dificuldades e limitações de ensino na educação do campo: reflexos da educação urbana; Abaetetuba-PA. Revista Debates Insubmissos, 1(3), set/dez. Recuperado de: https://www.researchgate.net/publication/338734908_DIFICULDADES_E_LIMITACOES_DE_ENSINO_NA_EDUCACAO_DO_CAMPO_REFLEXOS_DA_EDUCACAO_URBANA_ABAETETUBA-PA

Costas, F. A. T., & Ferreira, L. S. (2011). Sentido, significado e mediação em Vygotsky: implicações para a constituição do processo de leitura. Revista Ibero-Americana de Educação, 55, p. 205-223. Recuperado de: https://rieoei.org/historico/documentos/rie55a09.pdf

Cruz, G. T. M. (2020). Educação do campo, alfabetização e letramento: desafios contemporâneos. Congresso Nacional de Educação: Educação como (re)Existência: mudanças, conscientização e conhecimentos. In Anais do 7º Conedu, Maceió, AL. Recuperado de: https://editorarealize.com.br/editora/anais/conedu/2020/TRABALHO_EV140_MD1_SA8_ID6277_01092020174655.pdf

Cruz, T., & Portella, J. (2021). A Educação na Amazônia Legal. Diagnóstico e Pontos Críticos. Centro de empreendedorismo da Amazônia. Recuperado de: https://amazonia2030.org.br/wp-content/uploads/2021/12/AMZ2030-A-Educacao-na-Amazonia-Legal.pdf

Fazenda, I. C. A. (2011). Integração e interdisciplinaridade no ensino brasileiro: efetividade ou ideologia. 6ª ed. São Paulo: Edições Loyola. Recuperado de: https://www.unijales.edu.br/library/downebook/id:855

Fonseca, V. (2019). Desenvolvimento cognitivo e processo de ensino-aprendizagem: abordagem psicopedagógica à luz de Vygotsky. Petrópolis: Vozes.

Freinet, C. (1974). O jornal escolar. Lisboa: Estampa. Recuperado de: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/5941882/mod_resource/content/1/103273811-o-Jornal-Escolar-Freinet-07042011.pdf

Freire, P. (1983). Educação como prática para a liberdade. 14ª ed., Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freire, P. (2015). Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. 51ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Gil, A.C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. 6ª ed., São Paulo: Atlas. Recuperado de: https://ayanrafael.files.wordpress.com/2011/08/gil-a-c-mc3a9todos-e-tc3a9cnicas-de-pesquisa-social.pdf

Japiassu, H. (1976). Interdisciplinaridade e patologia do saber. Rio de Janeiro: Imago. Recuperado de: https://doceru.com/doc/xv8881

Kaplún, M. (1998). UNA PEDAGOGÍA DE LA COMUNICACIÓN. Madrid: Ediciones de la Torre. Recuperado de: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/3709744/mod_resource/content/1/Uma%20Pedagogia%20da%20Comunica%C3%A7%C3%A3o_%20M%C3%A1rio%20Kaplun.pdf

Kauark, F. S.; Manhães, F. C., & MEDEIROS, C. H. (2010). Metodologia da pesquisa: um guia prático. Itabuna: Via Litterarum. Recuperado de: http://www.pgcl.uenf.br/arquivos/livrodemetodologiadapesquisa2010_011120181549.pdf

Mainardes, J. (2018). Abordagem do ciclo de políticas: explorando alguns desafios da sua utilização no campo da Política Educacional. Jornal de Políticas Educacionais, 12(16). Recuperado de: https://revistas.ufpr.br/jpe/article/view/59217

Martins, M. F. (2021). Gramsci, educação e escola unitária. Educ. Pesqui., (47). Recuperado de: https://www.scielo.br/j/ep/a/X3MD3XtH4YVQfXndFDBDtws/?format=pdf

Medeiros, E., & Hage, S. (2020). Em tempos de pandemia e autoritarismo político: o movimento de Educação do Campo re-existe na luta pela democratização do Estado e ampliação de direitos. In: Marinho, L., & Amorim, R. M. (Org.). Pesquisas e práticas educativas: desafios e possibilidades no século XXI. João Pessoa: Editora UFPB.

Moreira, M. A. (1999). Teorias de Aprendizagem. São Paulo: EPU.

Moreira, M. A. (2006). A teoria da aprendizagem significativa e sua implementação em sala de aula. Brasília: Editora UnB. Recuperado de: https://madmunifacs.files.wordpress.com/2016/04/a_teoria_da_aprendizagem_significativa.pdf

Oliveira, T. F. S., & Castro, A. B. B. (2016). Rede social como recurso didático-pedagógico: possibilidade de uso na aprendizagem de língua portuguesa. SIED: EnPED-Simpósio Internacional de Educação a Distância e Encontro de Pesquisadores em Educação a Distância, São Carlos, SP. Recuperado de: http://www.sied-enped2014.ead.ufscar.br/ojs/index.php/2016/article/view/1578

Rangel, M. (2014). Métodos de ensino para a aprendizagem e a dinamização das aulas. 6ª ed. Papirus Editora.

Rangel, M, & Machado, J. C. (2012). O papel da leitura e da escrita na sala de aula: estratégias de ensino para dinamização dos processos de leitura e escrita. In Anais do SIELP, 2(1), p. 1-9, Uberlândia, MG. Recuperado de: http://www.ileel.ufu.br/anaisdosielp/wp-content/uploads/2014/07/volume_2_artigo_229.pdf

Rocha, L. E.; Rosa, M. C. L.; Rocha, Z. F. D. C., & Magalhães, C. A. O. Jr. (2017). O jornal escolar como possibilidade de interdisciplinaridade no ensino básico. Arquivos do MUDI, 21(3), p. 132-141. Recuperado de: https://periodicos.uem.br/ojs/index.php/ArqMudi/article/viewFile/40948/pdf

Scarpato, M. (2017). A livre expressão na Pedagogia Freinet. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, 12(1). Recuperado de: http://dx.doi.org/10.21723/riaee.v12.n.esp.1.2017.9667

Tavares, R. (2004). Aprendizagem significativa. Conceitos, 10(55), p. 55-60. Recuperado de: http://www.projetos.unijui.edu.br/formacao/_medio/fisica/_MOVIMENTO/ufpb_energia/Textos/ASConceitos.pdf

Vaillant, D., & Marcelo, C. (2012). Ensinando a ensinar. As quatro etapas de uma aprendizagem. Curitiba: Editora da Universidades Tecnológica Federal do Paraná. Recuperado de: https://idus.us.es/bitstream/11441/29171/1/Ensinando%20a%20ensinar0001.pdf

Verceze, R. M. A. N., & Silvino, E. F. M. (2020). O livro didático e suas implicações na prática do professor nas escolas públicas de Guajará-mirim. Práxis Educacional, v. 4, n. 4, p. 83-102. Recuperado de: https://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/562

Vieira, S. S., & Abranches, S. (2017). O Jornal Escolar e sua importância no processo de construção de saberes discentes. Revista Sapiência: Sociedade, Saberes e Práticas Educacionais, 6(1), p. 109-126, Jan./Jul, Iporá, GO. Recuperado de: https://www.revista.ueg.br/index.php/sapiencia/article/view/7299/5061

Vygotsky, L. S. (1991). A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes. Recuperado de: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/3317710/mod_resource/content/2/A%20formacao%20social%20da%20mente.pdf

Vygotsky, L. S. (2001). A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes. Recuperado de: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/2477794/mod_resource/content/1/A%20construcao%20do%20pensamento%20e%20da%20linguagem.pdf

Published

2023-11-29

Issue

Section

Article